1 – Conforme informações preliminares divulgadas por nós anteriormente e após inúmeras negociações quanto à forma e ao dispositivo legal que concederia o benefício fiscal aos insumos agrícolas, temos a satisfação de informar que, finalmente, através de Medida Provisória, ficou reduzida a zero as alíquotas da PIS/PASEP e da COFINS na comercialização de sementes. Estamos ainda procurando argumentar quanto à propriedade do referido benefício passar a vigorar imediatamente, e não apenas a partir de agosto, como dispõe a MP 183, pelo fato do faturamento das sementes aos canais revendedores iniciarem já a partir do mês corrente.
Deve-se, por oportuno, creditar esta importante conquista, de enorme repercussão financeira e comercial, às entidades de classe representativas do setor de insumos agrícolas, pelo trabalho constante e estável que promovem, em prol das empresas que representam.
Reproduzimos abaixo a Medida Provisória 183, de 30 de abril de 2004 (D.O.U. de 30.04.2004 Edição Extra) :

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 183, DE 30 DE ABRIL 2004.
Reduz as alíquotas do PIS/PASEP e da COFINS, incidentes na importação e na comercialização do mercado interno de fertilizantes e defensivos agropecuários classificados no Capítulo 31 da NCM, e dá outras providências.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:
Art. 1º Ficam reduzidas a zero as alíquotas da Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público – PIS/PASEP e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – COFINS, incidentes na importação e na comercialização no mercado interno, de fertilizantes e de defensivos agropecuários, classificados no Capítulo 31 da Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados – TIPI, aprovada pelo Decreto nº 4.544, de 26 de dezembro de 2002, e suas matérias-primas, e de sementes para semeadura, nas hipóteses estabelecidas pelo Poder Executivo.
Art. 2º O § 2º do art. 42 da Lei nº 10.865, de 30 de abril de 2004, passa a vigorar com a seguinte redação:
“§ 2º Não se aplicam as disposições dos arts. 45 e 46 desta Lei às pessoas jurídicas que efetuarem a opção na forma do caput deste artigo.” (NR)
Art. 3º Os efeitos do disposto nos ars. 1º e 5o dar-se-ão a partir do quarto mês subseqüente ao de publicação desta Medida Provisória.
Art. 4o Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 5º Ficam revogados os §§ 10 e 11 do art. 3º da Lei nº 10.637, de 30 de dezembro de 2002, e os §§ 5º, 6º, 11 e 12 do art. 3º da Lei nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003.
Brasília, 30 de abril de 2004; 183º da Independência e 116º da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Antonio Palocci Filho